ÚLTIMAS ATUALIZAÇÕES

sábado, 21 de maio de 2016

A Agradável Vontade de Deus


Porque isto é bom e agradável diante de Deus nosso Salvador, que quer que todos os homens se salvem, e venham ao conhecimento da verdade. Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem. O qual se deu a si mesmo em preço de redenção por todos, para servir de testemunho a seu tempo (1 Timóteo 2.3-6).

    Amado(a) leitor(a), quero convidar-lhe a entender de forma mais profunda e intensa qual seja a vontade de Deus para a vossa vida. Muitas pessoas, de fato, conhecem de forma breve ou prolongada a história de Jesus. Sabem que Ele nasceu, cresceu, iniciou seu ministério na terra, foi crucificado e ressuscitou após o terceiro dia de sua morte. No entanto, não entendem o porquê, o significado dessa morte de cruz, morte essa que configura a aspiração de Deus para a humanidade. Nesse sentido desejo ardentemente que você abra seu coração e abrace ao que o Espírito, por intermédio dessa breve reflexão, quer lhe falar.

     Percebemos claramente que o versículo terceiro (da citação acima), deixa claro que algo era bom e agradável diante de Deus. Segundo o 'Dicionário de Língua Portuguesa Priberam' os termos – bom e agradável – fazem referência a como deve ser ou como convém que aconteça. Nessa perspectiva, devemos entender que Deus deseja que algo aconteça em nossas vidas, algo que lhe convém. E que algo é esse?

     A resposta à pergunta acima está nitidamente descrita do verso seguinte: “Que quer que todos os homens se salvem, e venham ao conhecimento da verdade.” Esse versículo revela a perfeita vontade de Deus para a humanidade. A expressão “a perfeita vontade de Deus” designa qualquer coisa que Ele explicitamente quer. No livro do apóstolo João, capítulo 3 e versículo 16 está escrito: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” Esse texto revela o coração e a vontade de Deus para a minha e a sua vida.

     Primeiramente, o amor de Deus é suficientemente imenso para abranger todos os homens; Depois, Deus “deu” seu Filho como oferenda na cruz por nossos pecados. A salvação procede do coração amoroso de Deus; Em terceiro lugar, a “Vida eterna” é a dádiva que Deus outorga quando este decide entregar sua vida a Ele. “Eterna” expressa não somente a perpetuidade da nova vida, mas também a qualidade desta vida, como a de Deus; uma vida que liberta o homem do poder de Satanás, e que o afasta daquilo que é puramente terreno para que ele conheça a Deus.

    Todavia, para usufruirmos esse tão grande privilégio, devemos crer que há “... um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo...”, o versículo já citado afirma que é necessário crer no Filho unigênito, o qual se deu a si mesmo em preço de redenção por todos. Crer (do grego Pisteuo) inclui três elementos principais: 1º) plena convicção de que Cristo é o Filho de Deus e o único salvador do perdido pecador; 2º) comunhão com Cristo pela nossa auto submissão, dedicação e obediência a Ele; 3º) plena confiança em Cristo de que Ele é capaz e também quer conduzir o crente à salvação final e à comunhão com Deus no céu.

     Finalizo essa breve reflexão crendo que você foi alcançado pelo poder da Palavra de Deus nesse momento e agora entende qual seja a boa e agradável vontade de Deus para sua vida. Não espere pelo dia de amanhã, pois ele não nos pertence. Assim diz o Senhor dos Exércitos: “Eis que hoje ponho diante de vós a benção e a maldição (Deuteronômio 11.26).” Escolha, pois a benção, entregando a sua vida a Jesus, porque fora dEle não há salvação.