ÚLTIMAS ATUALIZAÇÕES

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Os Dois Alicerces


Por que vocês me chamam 'Senhor, Senhor' e não fazem o que eu digo? Eu mostrarei com quem se compara aquele que vem a mim, ouve as minhas palavras e as pratica. É como um homem que, ao construir uma casa, cavou fundo e colocou os alicerces na rocha. Quando veio a inundação, a torrente deu contra aquela casa, mas não a conseguiu abalar, porque estava bem construída. Mas aquele que ouve as minhas palavras e não as pratica é como um homem que construiu uma casa sobre o chão, sem alicerces. No momento em que a torrente deu contra aquela casa, ela caiu, e a sua destruição foi completa (Lucas 6.46-49).

Dentre os muitos ensinamentos de Jesus atestados na Bíblia Sagrada, fica demonstrado de maneira muito clara que os fundamentos que construímos ou escolhemos para nossas vidas podem (ou não) nos trazer sossego quando as dificuldades vêm sobre nós. Essa é a essência da mensagem trazida pelo Senhor através da parábola sobre os dois alicerces.

Está explícito na passagem em destaque que os dois homens construtores da parábola ouvem as palavras de Jesus, a diferença é que um reverencia e decide edificar sua casa sobre o lugar mais seguro, que é sobre a “rocha”, isto é, as palavras do próprio Cristo, mesmo que isso lhe custe um esforço a mais para firmá-la. O outro decide apenas construir sua casa na superfície, não se preocupando com a segurança de sua construção quando desafiada por situações mais difíceis.

Porém, toda escolha envolve uma ou mais consequências. É na adversidade que os resultados daquilo que preferimos ficam em evidência. No caso do homem displicente, a casa foi destruída por possuir uma estrutura frágil; apesar de saber disso, o mesmo preferiu ignorar. Aquele que edificou sua casa na rocha obteve um resultado diferente, teve êxito por escolher o que é seguro e isso lhe deu tranquilidade para o futuro.

Não dá para negar que esta reflexão é uma figura da nossa vida. Por um lado, existem pessoas que decidem confiar suas vidas sobre os princípios da Palavra de Deus, pois estes “não se abalam, mas permanecem para sempre (Salmo 125.1)”. São “como a árvore plantada junto a ribeiros de águas, a qual dá o seu fruto no seu tempo; as suas folhas não cairão, e tudo quanto fizer prosperará (Salmo 1.3)”. E por outro lado, pessoas que são boas ouvintes, mas péssimas construtoras, pois decidem firmar seus alicerces em seus próprios princípios, ignorando os de Deus, que são mais confiáveis.

Em dias difíceis, as pessoas que “constroem apenas na superfície” enfrentam uma complicada situação, a tragédia de ver a “inundação” abalar e destruir completamente sua obra, sua história, sua perspectiva. Tudo consequência de uma base fundamentada em ilusões. Mas Deus, através desta meditação, deseja ser a base de tudo em sua vida, assumir o controle e edifica-la por inteiro. Então, busque firmar sua estrutura sobre Aquele que não se abala; escolha colocar sua felicidade, seus planos, seus sonhos sobre a vontade dEle. Fazendo assim estarás bem alicerçado. Medite nisso. Que Deus te abençoe!